Tradição e Revolução

A Tradição é Revolução, etimológica e realmente. “Revolução” é “re-volver”, ou seja, regressar às Origens, mas não antes de completar o Ciclo, a rotação, a astronómica “re-evolução”. A verdadeira Tradição não tem nada a conservar, pelo contrário deseja destruir tudo para assim dar cumprimento “revolucionário” ao Ciclo, para preparar um novo início, uma nova Idade de Ouro.

A Conservação é o contrário da Tradição/Revolução, se a entendermos não no sentido dos Valores mas apenas da manutenção, da defesa das estruturas do passado, das formas já superadas, dos redutos vazios e banais, das fórmulas e das formas que o tempo reduziu a cinzas. E isto é válido tanto para as fórmulas políticas e sociais como para as religiões e culturas que uma vez tornadas residuais e inúteis se perpetuam em vãos simulacros.

Repetimos: no mundo moderno não há nada que conservar, mas tudo a destruir. Começando por quanto de fossilizado existe em instituições de um passado pouco distante, que não foram senão frutos do modernismo do seu tempo: desde os nacionalismos gerados pela “Revolução” Francesa e pelos “Imortais Princípios” de 89.

Se a conservação é o contrário da Tradição revolucionária, a Subversão, como todos os fenómenos de revolta no mundo moderno, é uma revolução de sinal contrário, uma Contra-Revolução, sempre no sentido tradicional do termo.

A subversão, pretendendo destruir as formas do presente (e este é o seu aspecto mais positivo), fá-lo no entanto em nome e sob o signo da “modernidade”, como categoria mental e espiritual. Isto não se traduz numa aceleração em direcção ao fim da presente decadência e portanto à precipitação do ponto catártico que assinala a passagem revolucionária de ciclo, senão numa perpetuação sob novas formas de decadência, que tenderão naturalmente a cristalizar-se na enésima conservação, até à chegada de uma ulterior vaga subversiva.

A subversão tende a apagar as formas do passado para conservar a essência do presente, isto é, o modernismo anti-tradicional, tratando assim de deter o verdadeiro processo revolucionário que poderia encerrar este ciclo e abrir um novo. A subversão é, em definitivo, outra forma de conservação.

— Carlo Terracciano, “Revolta contra o mundialismo moderno

posted by Nacionalista @ 4:41 da manhã,

2 Comments:

At 1:59 da tarde, Anonymous Anónimo said...

1, 2, 3 - Experiência
...
Já se pode!??

Legionário

 
At 12:07 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Obrigado, Já copiei tudo e já passei os olhos. Não conhecia o texto nem o senhor, mas é "impressionante" (água da mesma fonte) como ele escreve coisas que nós mesmo já escrevemos...

Já se pode comentar...é sempre bom, mais não seja para agradecer.

Legionário

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home