Breves

- Imigrantes ganham menos que portugueses... Mas que grande novidade! E a diferença salarial entre nativos e alógenos só não é maior porque Portugal, como bom país miserável e terceiro mundista que é, já paga uma miséria aos seus próprios trabalhadores, pelo que a margem de manobra para baixar os salários já não é muita. Entretanto, os portugueses vão para Espanha fazer os trabalhos que os "portugueses não querem".
- Na Holanda o partido anti-imigração de Geert Wilders conseguiu 9 lugares no Parlamento. Quando o país mais "tolerante" da Europa começa a ficar farto da imigração, é sinal que as coisas estão mesmo a ficar más.
- Já viram aquele irritante anúncio da TV Cabo cujo slogan é qualquer coisa do género "a felicidade só custa tanto por mês"? E o mais triste é sabermos que para muita gente (cada vez mais gente...) a felicidade é isso mesmo: poder gastar uns cobres em alienação.
- As «Edições Falcata» renovaram o seu espaço e as suas ofertas.

posted by Nacionalista @ 1:42 da manhã, , links to this post


Manias

Quer este desalinhado saber quais são as minhas manias... Bem, já respondi ao questionário em Fevereiro, remeto-vos p'ra . Acrescento só que a fobia às webcams está ligeiramente atenuada, e o problema do estudo depois do jantar já não se coloca. Também gosto de ler o jornal de trás p'ra frente, tenho uma certa implicação com Messengers, Hi5s e derivados, e detesto estas correntes.

posted by Nacionalista @ 1:37 da manhã, , links to this post


Recebido por e-mail

No "Diário de Notícias" de 20 de Outubro de 2006 vem na página 4 uma notícia pequenina mas muito interessante e que ilustra bem as poupanças e as prioridades deste Governo. Reza a notícia que a Assembleia da República aprovou ontem em plenário o seu próprio Orçamento para 2007, do qual faz parte uma verba total para obras de "remodelação das bancadas e sistema de ar condicionado", obras essas que importam em mais de 3 milhões de euros (cerca de 600.000 contos na moeda antiga)…
Se aqui começamos a ficar no mínimo impacientes o pior está no entanto ainda para vir.
Para adaptação do sistema de votação electrónica dos deputados (sistema esse que já existe, embora tenha funcionado mal numa das últimas votações) o Estado prepara-se para gastar, pasme-se: um milhão e cem mil euros!!! Ou seja 220.000 contos!!! Por um sistema em que o deputado carrega num botão e aparece o seu voto contabilizado num quadro electrónico!!!
Se a sua indignação e estupefacção é tão grande como a minha, faça circular este e-mail.
Denuncie este roubo feito a todos os Portugueses contribuintes!

posted by Nacionalista @ 10:38 da tarde, , links to this post


Maximalismo anti-identitário, minimalismo em relação ao Terceiro Mundo

Um artigo que vale a pena ler também em Portugal.

posted by Nacionalista @ 5:37 da manhã, , links to this post


A perfeita organização económica será, sem dúvida, aquela em que a actividade privada possa agir total e harmonicamente em todos os ramos da Economia, reservando o Estado o domínio, pela fiscalização absoluta, dos grandes meios da Produção: Construção Civil, Transportes, Correios e Telégrafos, Telefones, etc.
O Crédito, esse, deve ser exclusivamente organizado e distribuído pelo Estado e quem diz pelo Estado, diz pelos seus Bancos e pelos Bancos Corporativos. Há que desviar em proveito do Estado e portanto da colectividade, o jogo da Bolsa, as especulações financeiras, tudo o que se prenda com a Moeda.
No campo do Crédito tudo terá de ser nacionalizado em atenção às normas do trabalho obrigatório, em atenção ainda ao bem comum ou colectivo. Nos outros campos, sempre que a actividade privada se mostre impotente para desempenhar cabalmente a sua função, deverá o Estado igualmente nacionalizar até serem criadas pela actividade privada as condições de se exercer plenamente.
Nacionalizando o Crédito, tem-se especialmente em vista o equilíbrio e a justiça social. Nacionalizando o que por força das circunstâncias tenha de ser nacionalizado, tem-se em vista o bem comum ou colectivo.
Há distinção entre Nacionalizar e Socializar, distinção que queremos frisar.
Socializa-se atendendo ao bem colectivo de momento. Nacionaliza-se atendendo ao bem colectivo do momento e do futuro, expresso esse bem na unidade da Nação.
Nacionalizaremos, pois, sem temer, tudo o que seja necessário nacionalizar para o bem-estar nacional, para o Equilíbrio da Vida, para a Justiça Social. Não é atentar contra a Propriedade. É limitá-la em função da sua utilidade social, em proveito da Nação que trabalha.

- António L. Tinoco, «A Revolução Nacional dos Trabalhadores» (1933)

posted by Nacionalista @ 11:19 da tarde, , links to this post


Isto vale a pena?...

The new version of Blogger now has all the original features you're used to, plus new post labels, drag-and-drop template editing, and privacy controls. And, it's a lot more reliable.
After you switch you'll need to sign in with your Google Account, but your blogs will stay the same. Their content and layout will not change.

Alguém que já tenha feito a mudança pode-me esclarecer se vale a pena?...

posted by Nacionalista @ 6:51 da tarde, , links to this post


Ainda há esperança...

Parece que 40% dos putos são «racistas».

posted by Nacionalista @ 6:48 da tarde, , links to this post


Kriss Donald

aqui falei de Kriss Donald. Conhece-se agora mais um pormenor deste hediondo crime: depois de agredido e esfaqueado, Kriss foi incendiado ainda vivo. A médica legista Ruth Ramage acredita que Kriss tentou apagar as chamas rebolando-se na lama onde tinha sido deixado...

posted by Nacionalista @ 8:03 da tarde, , links to this post


Imigração e desemprego. Afinal há relação...

Descobri no site do ACIME, por acaso, um interessante artigo, já do ano passado, publicado originalmente no DN. Trata-se de um artigo sobre o desemprego entre os imigrantes e é interessante porque, um pouco sem quererem, os imigracionistas acabam por revelar algumas verdades que normalmente tentam esconder.
Um dos mantras dos imigracionaistas, repetido até à exaustão, é o de que não há qualquer relação entre a imigração e o desemprego. Ora, os próprios imigracionistas (associações de apoio aos imigrantes, sindicatos, Igreja...) reconhecem que “a crise económica não pode explicar os níveis de desemprego entre os imigrantes e argumentam que estes são substituídos por cidadãos indocumentados.” Ou seja, há de facto necessidade de mão-de-obra imigrante… desde que seja ilegal! A imigração só interessa aos empregadores desde que seja ilegal e, portanto, barata, sem direitos e sem capacidade reivindicativa. Ainda bem que os imigracionistas reconhecem isto, porque reconhecer isto é também reconhecer que a imigração maciça destrói a capacidade negocial e reivindicativa dos trabalhadores portugueses. Segundo Carlos Trindade, sindicalista da CGTP: “Há imigrantes que se deslocam ao sindicato, dizem-nos que as entidades patronais estão a rescindir os seus contratos, ou não os renovam, mas que admitiram estrangeiros ilegais”. Acrescentando o artigo que: “Actualmente, passa-se o mesmo com os imigrantes legais que com os trabalhadores nacionais há uns anos. Ambos foram substituídos por mão-de-obra mais barata, diz aquele sindicalista”. Os trabalhadores nacionais foram substituídos por mão-de-obra barata imigrante! Obrigado Carlos Trindade pela tua honestidade. Então, há ou não há relação entre a imigração, o desemprego, os salários e os direitos laborais?
Então e qual é a solução? Qualquer pessoa sensata pensaria que a solução passaria por reduzir os fluxos migratórios de forma a eliminar essa bolsa de mão-de-obra barata. Mas como os imigracionistas não são pessoas sensatas, por entre algumas boas ideias (“o controlo dos fluxos migratórios incida mais nas entidades patronais do que nas comunidades migratórias e que as sanções para quem contratar ilegais sejam exemplares”) apresentam outra completamente estapafúrdia: “As associações de imigrantes defendem a legalização dos indocumentados”. Ou seja, em vez de se desincentivar a imigração, de forma a reduzir os fluxos migratórios (e assim, reduzir a disponibilidade de mão-de-obra ilegal), faz-se exactamente o contrário – abrem-se processos “extraordinários” de regularização, que na prática significam enviar a seguinte mensagem a potenciais imigrantes: “venham para cá ilegais, que nós depois legalizamo-vos”. E enquanto os imigrantes ilegais continuarem a chegar, o problema mantém-se. Ainda sobre os processos de regularização, Carlos Trindade diz-nos que “Abrir períodos de legalização de país para país não funciona, porque as máfias colocam as pessoas onde há processos de regularização.” Mais uma vez, obrigado Carlos Trindade pela tua honestidade.

posted by Nacionalista @ 6:06 da tarde, , links to this post


European Unity

posted by Nacionalista @ 1:02 da manhã, , links to this post


Eu vou.

posted by Nacionalista @ 4:32 da tarde, , links to this post


Dissonâncias (II)

aqui escrevi sobre a “dissonância” entre o discurso oficial pró-abortista (“ninguém é a favor do aborto!”) e o discurso do simples “militante”. Temos aqui um bom exemplo. Este tipo escreve um texto de 580 palavras que se poderia resumir em duas: porque sim. Este tipo é a favor do aborto porque sim, porque dá jeito, porque é conveniente, porque apetece, porque não quer responsabilidades. Os pró-abortistas não são a favor do aborto porque estão tremendamente preocupados com as mulheres pobres em “situações dramáticas” ou porque consideram que o feto não é uma “pessoa humana”; são a favor do aborto simplesmente porque não admitem nenhum valor para além da sua vontade egoísta. A sua vontade egoísta é a medida de todas as coisas e qualquer outro valor que a restrinja só pode ser considerado um odioso entrave à “liberdade” que é preciso remover a todo o custo. “Curiosamente”, ao longo do seu texto de 580 palavras, não diz uma única palavra sobre o feto, que é o que verdadeiramente está em causa. Significativo.

posted by Nacionalista @ 3:52 da tarde, , links to this post


Presente! (2)

posted by Nacionalista @ 9:16 da tarde, , links to this post


Presente!

posted by Nacionalista @ 9:15 da tarde, , links to this post